Greve dos professores deixa cerca de 4.000 alunos sem aulas em Lagoa Santa

0
537
Imagem internet

Os professores da rede estadual de ensino do estado de Minas Gerais estão em greve desde o dia 08 de março e decidiram, em uma assembleia realizada no dia 22/03, que vão continuar paralisados.

Um balanço realizado pela Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG), a pedido do Jornal Minas de Fato e entregue ontem (26/03), informou que no município de Lagoa Santa tem cinco escolas estaduais e destas uma está funcionando normalmente (E.E Tiradentes), uma escola relatou paralisação parcial (E.E Reparata Dias de Oliveira – funcionando do 1º ao 5º ano) e três paralisaram totalmente (E.E Nilo Maurício Trindade Figueiredo, E.E Padre Menezes e E.E Cecília Dolabela Portela Azeredo) as atividades.

Ainda de acordo com o relatório enviado pela SEE/MG, somente em Lagoa Santa, cerca de quatro mil alunos estão sem aulas em função da greve. Elizabeth Dias (47) é aluna do EJA da E.E Padre Menezes, em Lagoa Santa, e confirmou a informação de que, desde o dia 14, os alunos estão sem aulas. “Olha estou muito chateada, pois nós que estudamos pelo EJA já temos pouco tempo para estudar e agora sem aulas é muito ruim”, lamenta. Porém ela disse que “não tira a razão dos professores em paralisar”. Sobre a reposição das aulas, Elizabeth disse que ainda não foi falado nada sobre o assunto.

Segundo a Secretaria de Estado de Educação o governo “não tem poupado esforços para valorizar os trabalhadores da Educação e vai tentar cumprir com a maioria dos itens do acordo”. Com a mediação do Ministério Público e da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, foram realizadas duas reuniões de conciliação com a presença de representantes do Governo e do SindUTE. A última delas (na última quarta-feira, dia 21 de março) foi elaborado um termo de conciliação, no qual ficaram estabelecidos 12 itens a serem cumpridos pelo governador Fernando Pimentel. Os professores apreciaram o texto na assembleia do dia 22 e decidiram dar continuidade à greve. Por enquanto o governador de Minas Gerais esta avaliando as medidas que irá tomar.

Hoje às 18h haverá uma sessão ordinária na Câmara Municipal de Lagoa Santa para obter esclarecimentos sobre a greve e os professores convidam a comunidade a participar e dar opinião sobre o assunto.

Dados da greve em Minas Gerais

A Secretaria de Estado de Educação de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) disse que está acompanhando diariamente o andamento da adesão ao movimento. No balanço desta segunda-feira (26/03), 1.228 escolas informaram que funcionam normalmente, 410 relataram que paralisaram parcialmente suas atividades e 184 que paralisaram totalmente. O restante, de um total de 3.461 escolas, ainda não informou à Secretaria se aderiu ou não à greve. Pelas informações disponíveis, 67,4% das escolas estavam totalmente paralisadas e 22,3% com algum tipo de paralisação das atividades, em diferentes graus.

O governo estadual alega que está impedido de conceder reajustes aos trabalhadores por ter ultrapassado os limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). “Esse ponto, aliado às dificuldades orçamentário-financeiras enfrentadas pelo Estado, já havia sido apresentado em diversas ocasiões ao SindUTE como sendo o principal empecilho para a concessão dos reajustes do Piso neste momento”, explica.

A SEE/MG citou alguns pontos como conquistas dos professores:

  • Concessão de reajustes que aumentaram o salário inicial do Professor de Educação Básica em 46,75%, passando de R$ 1.455,33 para R$ 2.135,64, para uma carga horária de 24 horas semanais. Os ganhos atingiram todas as carreiras da Educação, inclusive os aposentados;
  • No final do ano passado, as nomeações ultrapassaram a marca história de mais de 50 mil novos servidores convocados para atuar na Educação: foram 50.457 nomeações, das quais 41.353 (82%) para o cargo de professor;
  • Pagamento do Adicional de Valorização do Servidor (Adveb). Atribuído mensalmente, corresponde a 5% de aumento no vencimento básico do servidor, a cada cinco anos de serviço. O Adveb já está sendo pago a mais de 40 mil servidores que fazem jus ao benefício;
  • Descongelamento das carreiras e na publicação de 59 mil progressões de grau e 36 mil promoções de nível, que impactaram positivamente nos salários dos trabalhadores.

Procuramos professores da rede estadual de Lagoa Santa para confirmarmos as informações, porém não obtivemos retorno até o fechamento desta reportagem.