Internet: Espaço do somos e podemos tudo? Estudo é diferencial para separar achismo e certeza

0
55
Imagem Google

Com a era dos comentários livres e dos espaços gratuitos para escrevermos na internet, muitas pessoas têm esquecido que para determinados assuntos, ainda é preciso ter estudo e experiência para se posicionar. Das novelas que pregam “especialistas” sem qualificação (apenas no achismo em busca de audiência), até canais no YouTube que espalham formadores de opinião (sem nenhum embasamento e estudo), vamos assistindo de camarote a sociedade deixar tudo para lá, esquecendo que a qualificação, seja graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado, ainda são diferenciais nesse mar de informação.

Mas como nos falta uma regulação clara da Internet, tudo é possível. Desde a publicação de uma receita de bolo, até mesmo um vídeo tutorial, vemos pessoas sem nenhum tipo de preparo, dando soluções para situações onde especialistas deveriam entrar. Lembro-me claramente de uma novela exibida há uns 10 anos, onde um personagem era nomeado Relações Públicas (RP) de uma grande empresa sem ter nenhum preparo e muito menos graduação para tal. Imediatamente o Conselho de Relações Públicas (CONREP) entrou em contato com o canal de TV pedindo reparação para a situação. Não me lembro se o pedido foi atendido de verdade respeitando o que diz a Lei da profissão de RP.

Além desse exemplo, outras áreas já foram bombardeadas. O jornalismo, por exemplo, já foi rotulado como algo sem valor para um personagem de uma trama que escolhia uma área no vestibular. No folhetim os pais falavam para ele não escolher a profissão, já que na opinião deles, qualquer um poderia desempenhar o trabalho sem estudo ou qualificação técnica. Além do jornalismo, a Publicidade e Propaganda (PP) também foi dada como algo sem valor, sem necessidade de estudo e preparo. Em uma série de TV, amigos montavam uma agência e agregavam pessoas apenas por que eles sabiam criar logomarcas e tirar fotos. Até mesmo na área da saúde “quase que veladamente” vem sendo distorcida, já que em numa trama exibida atualmente, haveria a necessidade de um psicólogo ou um terapeuta analisar uma situação e ao invés disso, estão colocando outro profissional “modinha e internacionalizado” para tal função. Mais uma vez um “conselho” entra em ação para pedir tal reparação. Mas outras áreas como engenharia e até direito, passam por momentos assim.

Separe o joio do trigo

Que a opinião é livre, todos sabemos! Ainda mais na era da internet e das publicações sem filtro. Todavia, saiba separar o que é “opinião formada” através de estudos, de muita qualificação, para a opinião embasada no achismo, apenas na “leitura entrelinhas” de algum tema. Hoje o que mais vemos são pessoas que não leem os temas por completo e buscam entender a história por trás. O que mais temos são pessoas que passam o olho rapidamente em um assunto e já querem expressar opiniões como se fossem “experts” no assunto. Lembre-se que para determinados temas, o olhar de um “especialista de verdade”, fará toda a diferença nesse mar de “fake news”. Assim, saiba “separar o joio do trigo”. Internet: Espaço do somos e podemos tudo? Estudo é diferencial para separar achismo e certeza. Pense nisso!

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMulher do “Homem de Lagoa Santa” também terá um rosto em 3D
Próximo artigoBolinho de arroz de vó
Felipe de Jesus
Felipe de Jesus é mestre em comunicação social: jornalismo, sociólogo, jornalista, bacharel em teologia e bacharelando em direito. Como jornalista atuou em diversas editorias e como sociólogo prestou consultoria para uma ONG desempenhando o trabalho de pesquisas de campo: opinião pública: social e comportamento. Faz parte da Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS) e do Sindicato dos Sociólogos de Minas Gerais (SINDS) como afiliado.